segunda-feira, 12 de julho de 2010

fins.

Fim número um:

Recebi um e-mail, dizendo assim:
"Nao lembro se ja mostrei, mas foi pra ti que fiz. 

da jornada

Tu, tu viste mais.
Tu viste terras, homens e campo,

baías, frutos
, mulheres e crianças,
trabalho das mãos e das máquinas.
Cidades reais e imaginárias,
com faces reais, bocas reais, fomes reais.
Tu andaste a pé, viajante só
e no caminho as pedras (melancias, abóboras)
rolaram, caindo, quebrando - frágeis.

"Mas o coração continua", disse ele um dia,
páginas de um livro sujo
que todas nós lemos,
tantas e tantas vezes sem querer,
e que de ti pouco tinha e tu dele pouco leva.

Tu foste ainda mais longe do que permitiu tua alma
carregando o vento nos cachos
e dálias vermelhas no regaço
reabrindo veias (estradas)
que de tão virgens são macias, densa mata.

Tu foste com as cordas arregaçadas,
lamentando a partida
e evitando a chegada.
Correndo o mundo feito cão moscovita,
ovelha desbandada.
Brilhou pra ti o sol, última estrela asteca."
---

Adorei a sensibilidade da Júlia de falar assim de mim, e me trazer Drummond de presente. Fica, pra mim, a felicidade que 'tentei qualquer viagem'.
Ainda não matei saudade dela não, lá na América do Norte falando francês. Obrigada, linda.


segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Na verdade, na verdade mesmo, tem ainda tanto por vir que também nada pode ser o fim do mundo.
Só se o mundo acabasse mesmo.

Mas seria injusto o mundo acabar antes do homem ter que limpar toda a sujeira que fez.

Feliz Valentine's Day, feliz dia de carnaval. E não bebam muito.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Lar

Faz alguns anos o Cássio me contou da teoria dele que haviam algumas pessoas nesse mundo que para ele, tinham algo que aparecia acima da cabeça, como se fosse uma plaquinha luminosa, escrito "home".

Home em inglês, significa Lar. E não é de estranhar que lar possa significar não apenas a nossa casa física, mas também aquelas pessoas que só por existirem, significam mais que uma casa inteira.

Voltei pra Porto Alegre, meu Porto. E chegando, vi uma placa bem grande que dizia que aqui, em casa, eu sou feliz. Mais uma vez, são as pessoas que constróem essa idéia de Lar. Senão seria uma casa de palha assim, esperando por ser soprada ao vento pelo lobo mau.